Iniciar sessão

Navegar para Cima
A aplicação Web não foi encontrada em http://cvarg.azores.gov.pt/noticias. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.
A aplicação Web não foi encontrada em http://cvarg.azores.gov.pt/noticias. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.
Última hora:
  • Atividade sísmica a W do Faial encontra-se ligeiramente acima dos valores considerados normais



Mundo ► Ciência

As altas montanhas de Plutão descobertas pela New Horizons (Imagem: NASA/AFP)
17-07-2015 14:00
 
Imagens em alta resolução de Plutão e Caronte obtidas pela New Horizon revelam topografias inesperadas

​As mais recentes imagens em alta resolução de Plutão e Caronte obtidas pela missão New Horizons da NASA, e divulgadas pela agência espacial, revelam topografias completamente inesperadas.

 

Relativamente a Caronte, os cientistas esperavam encontrar um terreno antigo coberto de crateras, no entanto,  as imagens revelam  que a maior lua de Plutão apresenta uma superfície com muito poucas marcas de impacto, sugerindo actividade geológica muito recente, com as crateras a serem “apagadas” por ressurgimentos de material.

 

Quanto a Plutão, as imagens mostram que o planeta-anão apresenta uma superfície irregular, com uma cadeia de jovens montanhas muito altas, com cerca de 3500 metros de altura, compostas por água, azoto e metano congelados, e uma notável ausência de crateras de impacto.

 

Estes novos dados sugerem que a superfície de Plutão é muito nova, talvez com menos de 100 milhões de anos de idade – ou seja, contemporânea dos dinossauros na Terra – implicando que estes dois astros são muito mais novos relativamente aos 4500 milhões de anos que tem o nosso sistema solar. Os investigadores precisam agora de perceber como é possível existir actividade geológica recente em corpos gelados tão pequenos que não têm, ao seu lado, um planeta maciço cuja atracção gravitacional lhes possa fornecer, através do chamado “efeito de maré”, a energia necessária para essa actividade ter lugar.

 

As montanhas de Plutão sugerem também que os gelos de azoto e de metano à superfície do planeta-anão formam apenas uma crosta muito pouco espessa. Segundo o cientista Will Grundy, tem de existir gelo de água por baixo dessa crosta para ser possível gerar montanhas com aquela dimensão. Só o gelo de água, que à temperatura de Plutão se comporta como uma rocha, seria suficientemente forte para sustentar essas estruturas.



Fontes


Público
National Geographic

Informação Relacionada


Imagens Adicionais


Anexos



Notícias Relacionadas


Error in WebPart: A aplicação Web não foi encontrada em http://cvarg.azores.gov.pt/noticias. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.Click here to edit the properties of this web part.
Error in WebPart: A aplicação Web não foi encontrada em http://cvarg.azores.gov.pt/noticias. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.Click here to edit the properties of this web part.