Iniciar sessão

Navegar para Cima
A aplicação Web não foi encontrada em http://cvarg.azores.gov.pt/noticias. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.
A aplicação Web não foi encontrada em http://cvarg.azores.gov.pt/noticias. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.
Não é possível visualizar esta Peça Web. Para resolver o problema, abra esta página Web num editor de HTML compatível com o Microsoft SharePoint Foundation como, por exemplo, o Microsoft SharePoint Designer. Se o problema persistir, contacte o administrador do servidor Web.


ID de Correlação:9b5155c3-f827-4989-bc0e-53b59760c336


Mundo ► Ciência

Foto: V. Mouslopoulou, GFZ
19-10-2016 11:30
 
Sismos agrupados no tempo podem causar levantamento tectónico nas margens continentais

​Segundo um estudo publicado na revsista científica Tectonics, um novo mecanismo pode explicar como sismos de elevada magnitude (magnitude superior a 7) estão relacionados com o levantamento tectónico do litoral em muitas regiões do mundo, tendo assim implicações para o risco sísmico e para o risco de tsunamis ao longo da costa de muitos países. Este mecanismo é proposto por uma equipa internacional de cientistas, liderada por Vasiliki Mouslopoulou do GFZ German Research Centre for Geosciences, e sustenta a ideia de que uma série de sismos de magnitude elevada, dentro de um período de tempo geologicamente curto, pode causar o levantamento do terreno onde uma placa tectónica desliza sob a outra placa da crosta terrestre, processo esse designado de subducção.

Para testar a hipótese, os cientistas analisaram as linhas de costa antigas que foram preservadas ao longo do tempo, as chamadas paleo-linhas de costa, com o objetivo de determinar a taxa de levantamento ao longo dos passados milénios. Vasiliki afirma que é provável que as linhas de costa ao longo das margens de subducção ativas sem atividade tectónica ao longo dos últimos 10 mil anos, irão gerar, num futuro próximo, sismos de magnitude elevada, superior a 7.

O levantamento das linhas de costa dos continentes em sistemas de subducção é um processo comum (e.g. Japão, Nova Zelândia e Papua Nova Guiné), com taxas de levantamento vertical acumuladas ao longo dos últimos 10 mil anos geralmente mais elevadas - até dez vezes mais, do que para intervalos de tempo maiores do que 125 mil anos.

Sendo esta taxa de levantamento contraditória, os cientistas alemães do GFZ e da Universidade de Canterbury na Nova Zelândia examinaram as origens e a magnitude destas variações utilizando um conjunto de dados globais de cerca de 282 paleo-linhas de costa levantadas a partir de 8 margens de subducção de vários locais do mundo, como de Itália, Grécia, Nova Zelândia, Japão, Papua Nova Guiné, bem como a partir de modelos numéricos 2D.

As paleo-linhas de costa são uma ferramenta útil para determinar a magnitude e os mecanismos associados a este fenómeno de levantamento, não só devido ao seu estado de preservação como devido à forma como estão expostas, em plataformas de abrasão marinha, proporcionando assim um registo geológico da interação entre as mudanças do nível do mar e do levantamento do terreno.

A análise dos dados e os modelos obtidos sugerem que diferentes taxas de levantamento ao longo das margens de subducção são fenómenos de curto prazo (menos do que 20 mil anos). Estas taxas não podem ser explicadas por processos que ocorrem em limites de placas como se pensava anteriormente. Assim, podem refletir uma tendência para as variações temporais nas taxas de levantamento, onde os levantamentos mais recentes (não mais do que 10 mil anos) têm sido importantes devido à ocorrência de sismos de magnitude elevada agrupados no tempo gerados por falhas na placa sobreposta na zona de subducção.

Dado a dimensão e a extensão geográfica do conjunto de dados analisados, as conclusões deste trabalho são suscetíveis de ter amplas aplicações.

Segundo Vasiliki, pela primeira vez, o agrupamento temporal de sismos de magnitude elevada mostra que as zonas de subducção ativas indicam um intenso período de libertação de tensão devido à sismicidade sucessiva, seguida por longos períodos de acalmia. Esta descoberta tem implicações para o risco sísmico destas regiões, destacando o potencial que poderá ter na destruição causada por sismos e tsunamis em zonas de subducção ativas sem medição recente da levantamentos. Em tais casos, as paleo-linhas de costa, de idades superiores a 10 mil anos poderiam proporcionar uma restrição importante para a análise dos perigos, ou seja, olhar para as paleo-linhas de costa poderá ajudar a determinar a probabilidade da ocorrência de futuros sismos de magnitude elevada.

Além disso, este mecanismo alerta os cientistas de que a ocorrência agrupada de sismos pode não só caracterizar sismos de baixa magnitude (inferior a 7) e que ocorram em falhas pouco profundas mas também sismos de magnitude elevada associados a zonas de subducção.

Este estudo apresenta um modelo concetual em que a tensão é libertada por um conjunto de sismos de elevada magnitude agrupados temporalmente e que provocam a rotura da falha nas placas levantadas, em oposição às zonas onde as placas tectónicas interagem (contacto das placas). Para Onno Oncken do GFZ, esta é uma descoberta intrigante que altera a visão do estereótipo de que todos ou a maioria dos sismos de magnitude elevada que ocorrem em zonas de subducção são originados ao nível do contacto ativo das duas placas convergentes. O cientista adianta ainda que estes dados irão permitir a descoberta e respetiva cartografia de tais falhas ao longo das margens de subducção ativas e também irão ajudar a explicar a variabilidade nos períodos de recorrência de grandes terramotos originados em zonas de subducção a nível global.
 


Fontes


GFZ Helmholtz Centre Potsdam
Science Daily

Informação Relacionada


Imagens Adicionais


Anexos



Notícias Relacionadas


Error in WebPart: A aplicação Web não foi encontrada em http://cvarg.azores.gov.pt/noticias. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.Click here to edit the properties of this web part.
Não é possível visualizar esta Peça Web. Para resolver o problema, abra esta página Web num editor de HTML compatível com o Microsoft SharePoint Foundation como, por exemplo, o Microsoft SharePoint Designer. Se o problema persistir, contacte o administrador do servidor Web.


ID de Correlação:9b5155c3-f827-4989-bc0e-53b59760c336
Error in WebPart: A aplicação Web não foi encontrada em http://cvarg.azores.gov.pt/noticias. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.Click here to edit the properties of this web part.