Iniciar sessão

Navegar para Cima
A aplicação Web não foi encontrada em http://cvarg.azores.gov.pt/noticias. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.
A aplicação Web não foi encontrada em http://cvarg.azores.gov.pt/noticias. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.
Última hora:



Mundo ► Outras

 
02-10-2020 10:20
 
"Amigos do CTBT" pedem a proibição permanente de testes de armas nucleares

No dia 1 de outubro, às 16:00 CEST (14:00 UTC), os Ministros das Relações Externas da Austrália, Canadá, Finlândia, Alemanha, Japão e Holanda, os “Amigos do CTBT” divulgaram uma mensagem de vídeo onde pedem a entrada em vigor do Tratado de Proibição Total de Testes Nucleares (CTBT), que proíbe todas as formas de testes de armas nucleares.
 
Devido à pandemia COVID-19, os Ministros das Relações Externas dos Amigos do CTBT não podem, pela primeira vez desde 2002, realizar a Reunião Ministerial bienal endossada por muitos países na semana de alto nível da Assembleia Geral da Nações Unidas.
 
No vídeo, o Ministro das Relações Externas japonês Motegi Toshimitsu sublinhou que não se devem repetir as tragédias de Hiroshima e Nagasaki e que a condenação mundial contra os testes nucleares da Coreia do Norte demonstra o fortalecimento do senso de norma contra os testes nucleares. A Ministra das Relações Externas da Austrália, Marise Payne, acrescentou que foram conduzidos mais de 2000 testes nucleares antes do CTBT.
 
O Ministro das Relações Externas da Alemanha, Heiko Maas, afirmou que, até que o CTBT entre em vigor, os “Amigos do CTBT” continuarão a fazer lobby pelo tratado. Stef Blok, Ministro das Relações Externas da Holanda, realçou a utilidade dos dados do CTBT para alerta de desastres e ciência, nomeadamente na chegada das monções, no impacto de meteoritos, nos padrões de migração de baleias e erupções vulcânicas. O Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, e a Secretária Executiva da Organização do Tratado de Proibição de Testes Nucleares Abrangentes, Dra. Lassina Zerbo, também prometeram o seu apoio ao CTBT na sua qualidade oficial.
 
O CTBT proíbe todas as explosões nucleares, dificultando quer o desenvolvimento inicial de armas nucleares, quer aperfeiçoamentos significativos (como bombas de hidrogénio). O tratado também ajuda a prevenir danos causados por testes nucleares a humanos e ao meio ambiente.
 
Até à data, o CTBT foi assinado por 184 estados e ratificado por 168. Para entrar em vigor requer que 44 estados “detentores de tecnologia nuclear” o ratifiquem. No entanto, oito deles ainda não o fizeram: China, República Popular Democrática da Coreia (RPDC), Egito, Índia, Irão, Israel, Paquistão e os Estados Unidos da América (China, Egito, Irã, Israel e os EUA já assinaram o tratado).
 
Neste momento, está quase completo um regime de verificação para monitorizar o globo em busca de explosões nucleares; mais de 90% das 337 instalações planeadas do Sistema de Monitorização Internacional já estão em operação. O sistema demonstrou do que é capaz, detetando cada um dos testes nucleares da RPDC conduzidos desde 2006.
 
Assista ao vídeo aqui: https://youtu.be/lNyPNotUngY.


Fontes


CTBTO

Informação Relacionada


Imagens Adicionais


Anexos



Notícias Relacionadas


Error in WebPart: A aplicação Web não foi encontrada em http://cvarg.azores.gov.pt/noticias. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.Click here to edit the properties of this web part.
Error in WebPart: A aplicação Web não foi encontrada em http://cvarg.azores.gov.pt/noticias. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.Click here to edit the properties of this web part.