Iniciar sessão

Navegar para Cima
A aplicação Web não foi encontrada em http://cvarg.azores.gov.pt/publicacoes. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.
A aplicação Web não foi encontrada em http://cvarg.azores.gov.pt/publicacoes. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.
Última hora:



Artigos em livros de actas ► Nacionais

 

Referência Bibliográfica


SILVA, R.F., MARQUES, R., GASPAR, J.L. (2017) - Avaliação da importância de discriminar os movimentos de vertente por tipologia para o desenvolvimento de modelos de suscetibilidade: um caso de estudo na freguesia do Lajedo (ilha das Flores, Açores). Actas do VIII Congresso Nacional de Geomorfologia, Porto, 6 e 7 de outubro.​

Resumo


​Tendo como área de estudo a freguesia do Lajedo (ilha das Flores, Açores), foi efetuado um inventário com 474 movimentos de vertente. Com base no método do Valor Informativo, estudou-se a importância de discriminar os movimentos de vertente por tipologia na avaliação da suscetibilidade. Os resultados obtidos permitiram concluir que: (i) a modelação efetuada com base em partições do inventário por tipologia promove um aumento na qualidade do ajuste dos modelos aos dados de entrada, e (ii) a presença de uma tipologia espacialmente dominante condiciona significativamente um modelo em que se considera o inventário total, enviesando os resultados no sentido de este se ajustar melhor às relações existentes entre as variáveis independentes e a tipologia dominante. 

A análise sensitiva efetuada para 12 fatores de predisposição permitiu verificar que a importância relativa e a hierarquização dos fatores podem ser bastante diferentes em função do tipo de movimento de vertente considerado. Com base na hierarquização efetuada foram testadas diferentes combinações de fatores, tendo-se verificado que a partir de um certo número de fatores de predisposição, a inclusão de novos fatores não se traduz numa melhoria significativa da qualidade do ajuste dos modelos aos dados de entrada.

Observações


Anexos