Iniciar sessão

Navegar para Cima
A aplicação Web não foi encontrada em http://cvarg.azores.gov.pt/publicacoes. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.
A aplicação Web não foi encontrada em http://cvarg.azores.gov.pt/publicacoes. Verifique se escreveu o URL correctamente. Se o URL tiver de fornecer conteúdo existente, o administrador do sistema poderá ter de adicionar um novo mapeamento do URL do pedido à aplicação de destino.
Não é possível visualizar esta Peça Web. Para resolver o problema, abra esta página Web num editor de HTML compatível com o Microsoft SharePoint Foundation como, por exemplo, o Microsoft SharePoint Designer. Se o problema persistir, contacte o administrador do servidor Web.


ID de Correlação:7dcb5112-ddde-4466-9a14-461df12fbdde


Painéis ► em encontros nacionais

 

Referência Bibliográfica


WALLENSTEIN, N., DUNCAN, A.M., GUEST, J.E., ALMEIDA, M.H. (2001) - A erupção intracaldeira de 1563 no vulcão do Fogo, S. Miguel (Açores). Evidências geológicas para a sua localização. “2º Simpósio de Meteorologia e Geofísica da APMG”, Évora 12 - 15 de Fevereiro (Poster).

Resumo


Ao início da noite de 28 de Junho de 1563, após 5 dias de intensa actividade sísmica sentida pela população, teve início uma erupção do tipo pliniano no interior da caldeira do Vulcão do Fogo. A análise dos documentos históricos, de trabalhos anteriores e de evidências geológicas de campo permitiu compreender a morfologia ante-eruptiva do interior da caldeira, caracterizar a sucessão de acontecimentos e relocalizar, com precisão, a área onde ocorreu o evento.
 
Com um carácter inicial nitidamente hidromagmático, esta erupção teve lugar na cratera do então designado Pico da Lagoinha, ou das Berlengas, ocupada, naquela época, por uma pequena lagoa. Tal estrutura, localizada sensivelmente no centro da actual caldeira e destruída no decurso da erupção, ocupava a parte central de uma lagoa de maiores dimensões, na altura designada por Lagoa de Gonçalo Pires, instalada numa grande depressão originada no decurso de erupções explosivas anteriores.
 
O estudo da distribuição dos depósitos efectuado por Walker e Croasdale (1971), verificado no presente trabalho, permitiu confirmar as descrições históricas no que concerne à existência de ventos fortes dos quadrantes oeste e oeste-sudoeste que promoveram a deposição de consideráveis espessuras de depósitos de cinzas e de pedra pomes no extremo nordeste da ilha. A queda de cinzas terá terminado no dia 3 de Julho, cinco dias após o início da erupção. O relato da existência de ventos do quadrante leste no dia 29 de Junho, que potenciaram a queda de cinzas em Ponta Delgada, não evidenciados pela distribuição dos depósitos entretanto erodidos, vem confirmar a importância da análise conjunta dos relatos históricos e das observações de campo, tal como tem sido efectuado para outros casos da ilha de S. Miguel.​

Observações


Anexos